Horizonte

Horizonte

Eu ando, caminho, corro… ando sem saber para onde vou, sigo um caminho qualquer. Eu apenas quero sair daqui. Dou um passo, mais um passo, e outro e outro… mas então, não consigo andar mais. Tenho uma corrente transparente no meu pé que não me deixa andar! Volto as costas para o destino para o qual eu ia. Estou presa a este destino. Mesmo que eu queira fugir dele, algo impede-me. Neste caso, a corrente não me deixa andar mais do que aquilo que eu andei até agora. Queria poder quebra-la, mas ela parece inquebrável. O meu destino parece-me demasiado negro.
Ando ás voltas, a espera de encontrar uma provável saída. Alguém ou algo… qualquer coisa que me tire daqui será bem-vinda! Caminho, ando e corro… ainda não encontrei nada de nada a não ser um horizonte que me parece maravilhoso. Posso estar enganada, mas aquele horizonte, para mim, é o melhor que me vai acontecer.


~ * ~

Estou deitada no chão. A corrente é pesada e, durante o sono, sinto o peso dela. Sonhei com algo maravilhoso, mas impossível de acontecer. Já perdi as esperanças de encontrar uma saída. A luz ao fim do túnel desapareceu e já não sei para onde ir. O meu destino está confuso. Como queria que a minha vida fosse um livro… assim saberia que no fim, haveria um final feliz para mim. O meu final feliz! Mas livros são livros… e a minha vida não é um livro… infelizmente!
Sonhei que alguém iria salvar-me. Alguém iria dar-me a mão para me levantar, dando-me o melhor sorriso que alguma vez vi. E quando eu agarrasse a sua mão, a corrente quebraria! Mas foi apenas um sonho… é pouco provável de acontecer…
E então, continuo a andar. Pode ser que encontre uma saída por mim mesma. Pelos vistos, a luz ao fim do túnel não se apagou por completo.


~ * ~

Já perdi a contagem dos dias que passaram. Sei que passaram muitos dias, mas não sei quantos dias exactos passaram. Só sei que foram muitos. Continuo a andar a espera que algo inesperado aconteça! Já não sei por onde ando. A corrente está constantemente a impedir-me de andar. Puxa-me para trás e não me deixa andar! Acho incrível como ainda não caíram lágrimas pela minha face… nesta altura, já isso teria acontecido. Já teria perdido todas as esperanças e começaria a chorar. Mas isso ainda não aconteceu!
Deito-me. Estou cansada. Fecho os olhos e tento dormir. Sonho com um céu azul e com uma planície verde. Parece tão perfeito que ate começo a duvidar se este lugar existe! É demasiado perfeito… não pode ser verdade. Não pode ser real. Não pode! É demasiado bom para ser verdade…
Algo me acorda… barulhos. Vozes. Sons que eu não ouço a muito tempo. Os meus olhos abrem e vejo uma silhueta desconhecida a minha frente. Uma pessoa que eu não conheço. Esfrego os olhos para ver se ainda estou a sonhar. Mas não! A pessoa realmente esta ali, a olhar para mim, a sorrir! Ela fala algo que eu não consigo perceber. Eu não digo nada. Ela dá-me a sua mão para me ajudar a levantar e eu simplesmente agarro na sua mão. Não conheço esta pessoa de nenhum lugar, mas confio nela. Algo dentro de mim diz-me para confiar, para não ter medo!
A pessoa é um rapaz. Os olhos dele são da cor do céu. Azuis. Ele sorri para mim e eu estou um bocado pasmada. Que sorriso..! lágrimas caem… ele limpa as lágrimas todas e continua a sorrir. Ele ajuda a levantar-me e andamos na direcção do horizonte. Tenho medo que a corrente me impeça de caminhar com ele. Mas ele esta a agarrar a minha mão com força.
Caminhamos e caminhamos… a corrente não me puxa, nem me impede. Continuamos a andar. Quando parece que estou a chegar ao limite, olho para a corrente e não vejo corrente nenhuma. Olho para ele e sorrio. Continuamos o caminho e atravessamos o horizonte…



13h23 |




Anjo

Anjo

 

(narrador: um rapaz que está com a namorada na cama. É de noite.)

 

Ela dorme. Dorme suavemente ao meu lado. Os seus lábios saborosos estão meio abertos. Convidam-me para dar um beijo apaixonado neles. Ela respira calmamente. Eu sorrio e passo a mão pelo cabelo dela. Não consigo parar de sorrir quando a vejo a dormir. Parece um anjo. O meu anjo. Passo o dedo pela cara dela, fazendo caminhos pela bochecha e pelos lábios dela. Ela sorri. Está feliz. Eu sorrio por ela estar feliz. Não consigo parar de olhar para ela. Para mim, ela é o ser humano mais bonito á face da Terra. Não há ninguém melhor que ela. Parece um sonho…
Ela abre os olhos. O silêncio mantêm-se enquanto os olhos dela e os meus olhos se encontram. Apenas há sorrisos e um silencio magnifico. Como queria que aquele momento durasse para todo o sempre! A minha mão faz mimos na cara dela. Ambos sorrimos bastante um para o outro. Não há mais ninguém no mundo. Só eu e ela. Melhor, não podia ser. Ela fecha os olhos para sentir melhor os mimos que lhe dou. Abraço-a e ela abraça-se a mim. Ouço o coração dela a bater rápido, sinto o quanto ela gosta de estar nos meus braços. O cabelo dela deita um cheiro maravilhoso. Algo que me hipnotiza completamente. O tempo podia parar, o mundo podia acabar. Eu ia morrer feliz. Sinto beijos dela no meu pescoço. Arrepio-me todo. Que boa sensação! Os beijos dela são como mel: saborosos, doces e deliciosos. Quero que este momento não acabe nunca! Quero tê-la nos meus braços por muito mais tempo!
Quando dou por mim, noto que ela adormeceu nos meus braços. Novamente, sorrio por vê-la a dormir tão angelicalmente.  O meu anjo… Dou um beijo na testa dela e fecho os olhos. Estamos abraçados um ao outro. Coladinhos um no outro. Não a largo, ela está nos meus braços e vai ficar aqui por muito mais tempo! Adormeço.



20h38 |




[ página principal ]